segunda-feira, 3 de abril de 2017

Paraná

Vista aérea das Cataratas do Iguaçu, no Parque Nacional do Iguaçu, 
Foz do Iguaçu, no estado do Paraná

O Paraná é uma das 27 unidades federativas do Brasil, localizado ao norte da Região Sul, da qual é o único a ter área limítrofe com estados de outras regiões. Faz divisa com Mato Grosso do Sul a noroeste, São Paulo ao norte e ao leste, Santa Catarina ao sul, Argentina a sudoeste, Paraguai a oeste e oceano Atlântico a leste. Sua área é de 199 307,922 km², um pouco menor que a Romênia, país com formato semelhante. Está dividido em 39 microrregiões e 10 mesorregiões, subdivididos em 399 municípios. Sua capital é o município de Curitiba. Outros municípios importantes são Londrina, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel, São José dos Pinhais e Foz do Iguaçu. É o quinto estado mais rico do Brasil pelo PIB, ficando atrás apenas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.
Seu território, que abrange toda a extensão da antiga República do Guairá à época do Império Espanhol, era a província mais nova do Império do Brasil, desmembrada de São Paulo em 1853, sendo seu primeiro presidente o senhor Zacarias de Góis e Vasconcelos. Foi criada por motivos diversos, podendo ser citados uma punição pela participação dos paulistas na Revolta Liberal de 1842, um acordo pelo apoio oferecido pelos paranaenses à Revolução Farroupilha e o cultivo lucrativo da erva-mate. É também o mais novo estado da Região Sul do Brasil, logo depois do Rio Grande do Sul (1807) e Santa Catarina (1738).
O estado é historicamente conhecido por sua grande quantidade de pinheirais espalhados pela porção do planalto sul, onde o clima é subtropical úmido, como nos estados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul enquanto o resto do Brasil é tropical. A espécie predominante na vegetação é a Araucaria angustifolia. Os ramos dessa árvore aparecem na bandeira e no brasão, símbolos adotados em 1947. Atualmente, esse ecossistema encontra-se muito destruído devido à ocupação humana.
O relevo do Paraná é dos mais altos do Brasil: 52% do território estadual tem altitude superior a seiscentos metros e somente 3% do território tem altitude inferior a trezentos metros. Os rios mais importantes do Paraná são o Paraná, o Iguaçu, o Ivaí, o Tibagi, o Paranapanema, o Itararé e o Piquiri e o clima do estado é classificado como temperado.


Etimologia:

O nome do estado é derivado de "Paraná", termo da língua geral paraná, que significa "rio". Refere-se ao rio Paraná, que delimita a fronteira oeste de seu território, onde ficava o salto de Sete Quedas (hoje submerso pela represa da Usina Hidrelétrica de Itaipu) na divisa com Mato Grosso do Sul, já na Região Centro-Oeste, e com o Paraguai. O rio Paraná nasce da confluência dos rios Paranaíba e Grande, quase mais a oeste de Minas Gerais. O potamônimo deu o nome à região, que foi elevada à categoria de província autônoma em 1853, desmembrando-se da Província de São Paulo, e à categoria de estado em 1889. A pronúncia "Paranã" era encontrada até há pouco tempo. Os naturais do estado do Paraná são denominados paranaenses.

Economia:

Em 2013, o Paraná possuía o quinto PIB do Brasil, com 179 270 000 bilhões de reais, representando 5,90% do PIB nacional no ano de 2005, contra 6,4% em 2003. Entretanto o crescimento do PIB paranaense vem apresentando sinais de desaquecimento nos últimos dois anos. Em 2003 a variação real foi de 5,2% em relação ao ano anterior. No ano seguinte, 2004, houve variação de 3,2%. Em 2005 a variação estimada pelo IPARDES é de apenas 0,3%. Essa desaceleração pode ser atribuída às crises no campo que vêm atingindo o estado nos últimos anos, e que acabam refletindo no comércio, serviços e até indústria. Cerca de 15% do PIB paranaense provém da agricultura. Outros 40% vem da indústria e os restantes 45% vem do setor terciário. Em 2007 apresenta um crescimento de mais de 7% do PIB, um dos melhores do país naquele ano. Quanto a sua pauta de exportações, no ano de 2012 os principais produtos exportados foram a Soja (18,73%), Carne de Aves (10,50%), Açúcar in Natura (8,09%), Farelo de Soja (8,00%) e Milho (6,36%).
As principais atividades econômicas são a agricultura (cana-de-açúcar, milho, soja, trigo, café, tomate, mandioca), a indústria (agroindústria, indústria automobilística, papel e celulose) e o extrativismo vegetal (madeira e erva-mate). o Paraná tinha em 2009, o quarto maior PIB do Brasil, atrás de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Setor primário:

O setor primário é o menos relevante para a economia paranaense: em 2013, a agropecuária representava somente 10,4% do valor total adicionado à economia de todo o estado. O setor agropecuário do Paraná tem grande diversificação e alta produtividade, bem como um progressivo setor industrial. É o estado brasileiro que mais produz milho e soja e o segundo produtor de cana-de-açúcar.
Os mais importantes produtos da agricultura paranaense são o trigo, o milho e a soja, riquezas das quais foram obtidos recordes de safra, competindo com os demais estados. O cultivo da soja é a de menor antiguidade das três e foi expandida tanto no norte como no oeste do estado, e depois no sul. Tem importância, também, que o algodão herbáceo é especialmente produzido no norte. A cafeicultura, que é uma das principais atividades agrícolas do estado, caso não desfrute da mesma grandiosidade de antigamente (o Paraná, sozinho, já chegou a produzir 60% do café de todo o mundo), ainda faz com que o Paraná continue sendo um dos principais produtores da federação brasileira. As plantações mais densas de café revestem a área a oeste de Apucarana. Em segundo lugar, o café é produzido nos terrenos da área zoneada de Bandeirantes, Santa Amélia e Jacarezinho.
No que se refere à pecuária, o Paraná dispõe de uma imensa bovinocultura e é um dos estados brasileiros que mais criam porcos, principalmente no centro, sul e leste do estado. Nos últimos vinte anos, a bovinocultura e a suinocultura foram muito expandidas. Como nos demais estados da região Sul do Brasil, diferem, no Paraná, os modos de utilização das terras campestres ou florestais. Geralmente, nas zonas campestres, a pecuária extensiva é praticada; nas zonas florestais, as plantações e pastos artificiais para engordar o gado são desenvolvidas. No Paraná, a quantidade produzida de ovos, de casulos do bicho-da-seda, mel e cera de abelha ainda é expressiva.
O subsolo paranaense possui grandes riquezas minerais. Há reservas significativas de areia, argila, calcário, caulim, dolomita, talco e mármore, bem como demais menores (baritina, cálcio). A bacia carbonífera é a terceira do Brasil, e a de xisto, a segunda. Em relação aos minerais metálicos, mediram-se depósitos de chumbo, cobre e ferro.

Setor secundário:

Embora o estado possua um grande parque industrial, na economia paranaense o setor secundário é atualmente o segundo menos relevante: em 2013, a participação da indústria representava somente 26,02% do valor total adicionado à economia de todo o estado.
Em meados do século XX, as atividades econômicas da indústria impulsionaram consideravelmente a economia do Paraná. Foi em consequência desse impulso que a urbanização cresceu, não somente na área ao redor de Curitiba, como em polos interioranos, exemplificando, Ponta Grossa — maior parque industrial do interior —, Londrina, Cianorte e Cascavel. Os mais importantes gêneros industriais são o de alimentos e o madeireiro. Curitiba é o município que possui mais indústrias e os mais importantes setores de sua atividade industrial são os de alimentos e de móveis, o madeireiro, de minerais não-metálicos, de produtos químicos e de bebidas. Na Região Metropolitana de Curitiba, em São José dos Pinhais, encontram-se ainda unidades industriais (montadoras) da Volkswagen-Audi e da Renault, ambas de grande porte. O setor madeireiro espalha-se no interior, com importantes centros em União da Vitória, Guarapuava e Cascavel.

O centro mais expressivo dos alimentos produzidos é Londrina, sendo também muito importante a atividade em Ponta Grossa, considerado um dos maiores parques moageiros de milho e soja da América Latina. A mais importante indústria do estado é a Companhia Fabricadora de Papel do grupo Klabin, que instalou-se no conjunto da Fazenda Monte Alegre, no município de Telêmaco Borba.

Setor terciário:

O setor terciário é o maior e mais relevante setor da economia paranaense: em 2013, a participação dos serviços representava 63,4% do valor total adicionado à economia de todo o estado.
Segundo a Pesquisa Anual de Serviços (PAS) realizada pelo IBGE em 2013, existiam no estado 94 352 empresas, das quais 4 413 eram empresas locais.
Em 2013, trabalharam para todas essas empresas 712 191 trabalhadores, que totalizavam ao todo uma receita bruta de 75 551 590 mil reais, juntos com salários e outras remunerações que somavam um total de 13 442 569 reais.
No Paraná, existiam, em 2015, 1 559 agências (instituições financeiras), que renderam R$ 143 521 153 112 mil em operações a crédito, R$ 211 648 844 mil em depósitos à vista do governo, R$ 8 972 412 757 mil em depósitos à vista privados, R$ 37 528 225 778 mil em poupança, R$ 42 277 904 694 mil em depósitos a prazo e R$ 327 991 725 mil reais em obrigações por recebimento.

Turismo:

O Paraná é um dos estados os quais possuem maior quantidade de parques nacionais, sendo destacados o Parque Nacional do Iguaçu e o Parque Nacional de Superagui. Foz do Iguaçu, com mais de 270 cachoeiras e 80 m de altura, é mundialmente conhecida. A Garganta do Diabo é um dos atrativos do mais extenso grupo de cataratas do mundo. Bem como a chegada de visitantes às atrações naturais, é um passeio de grande cotação visitar a hidroelétrica de Itaipu.
Outra atração turisticamente interessante é o Parque Estadual de Vila Velha, em Ponta Grossa, na qual as pedras que os ventos e as águas esculpiram consideram-se aparentemente ruínas de um imenso centro urbano. Ainda em Ponta Grossa pode-se visitar o Buraco do Padre, a Capela de Santa Bárbara (construída pelos Jesuítas) e a Cachoeira da Mariquinha.
Em Maringá existe a Catedral de Maringá (Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Glória), segundo monumento mais alto da América do Sul e décimo do mundo. Crescente visitação tem ocorrido na região do Cânion Guartelá, (6° maior do mundo e o maior do Brasil) em Tibagi.
Curitiba é hoje um importante destino turístico brasileiro, especialmente procurado por turistas oriundos de estados vizinhos que chegam à cidade por via terrestre. Um importante aumento no "turismo de negócios" tem também se verificado nas últimas décadas. Seja por razões de lazer ou trabalho, o fluxo de visitantes estimado no ano de 2006 chega a ser surpreendente: mais de 1 800 000 pessoas, ou seja, maior que o número de habitantes da cidade.
Durante o ano inteiro, são realizadas feiras e festivais, sendo destacadas a Munchen Fest de Ponta Grossa, a Oktoberfest de Rolândia, Carnaval de Rua de Tibagi, o Festival Internacional de Londrina, Festival de Teatro de Curitiba (o principal do país), Festival Folclórico e de Etnias do Paraná, e a Feira de Móveis do Paraná (Movelpar). Atraem ainda considerável interesse as feiras agropecuárias de grande porte, em especial a Expo Londrina.

Saiba o que esta acontecendo no Paraná